O Discurso da Acção, Paul Ricoeur

Pessoalmente, o autor que mais me ajudou a fazer a ponte entre “analíticos” e “continentais” (partindo destes…) no campo da ética foi Paul Ricoeur, particularmente este livro:
“Trata-se de saber se o vivido da fenomenologia não será o referente implícito e não tematizado da análise da linguagem ordinária. O que confirma esta hipótese é que a análise linguística brotou de uma reacção contra o atomismo de Russel e contra a teoria da “figuração” do 1º Wittgenstein. Para a filosofia da linguagem ordinária, n se trata de reformular esta segundo as exigências axiomáticas de uma “língua bem feita”; trata-se antes de se situar no interior da linguagem ordinária, para exibir o que significa real e precisamente enquanto linguagem ordinária. A este respeito, as pesquisas do 2º Wittgenstein, nas IF, as de Austin, de Hampshire, de Anscombe, representam uma revolução comparável à que levou Husserl a opor uma ciência descritiva do vivido ao ideal matemático de definitude e de saturação; pela minha parte, farei corresponder termo a termo os dois jogos de oposição no tocante à filosofia analítica entre língua bem feita e língua ordinária, e no que respeita à fenomenologia entre essências exactas e essências inexactas”.

Tenho depois, claro, a minha relação critica com a fenomenologia e Ricouer… na linha de uma filosofia da diferença, com suas diversas ramificações…

(parece que anda esgotado….)

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: