O EMPIRISMO TRANSCENDENTAL e o INVOLUNTÁRIO

(resposta😉 espero que ajude😉 > A estrutura categorial não pode portanto, ser mais tida como um poder autónomo do pensamento, pela qual nós o reduzimos a reencontrar a imagem que lhe dá o senso-comum. A autonomia do pensamento redu-lo a esse decalque empírico (dóxico). Para garantir ao pensamento a sua potência de libertação perante as representações já feitas, Deleuze articula a sua potência dedutiva com uma verdadeira PASSIVIDADE.

A repartição kantiana da ESPONTANEIDADE categorial e da RECEPTIVIDADE sensível encontra-se deslocada, mas ela não está ausente da concepção de Deleuze, que a aloja no coração do pensamento:
EM VEZ DE repartir as tarefas de conhecimento entre o ENTENDIMENTO e a SENSIBILIDADE, reservando a espontaneidade às questões QUID JURIS da experiência, e a afecção ao reencontro intensivo da matéria na sensação [questões QUID FACTI],

DELEUZE EXIGE para o pensamento uma afecção, uma RECEPTIVIDADE que gere o seu ACESSO DIRECTO À EXPERIÊNCIA (arruinando assim a separação entre fenomenal e noumenal) para garantir ao pensamento aquilo que ele considera ser a sua verdadeira autonomia: uma emancipação em relação aos conteúdos dóxicos da experiência, uma independência, uma potência de afirmação que lhe permite CRIAR, e NÃO REENCONTRAR nela os conteúdos de uma ciência anciã, de uma moral conveniente, de um bem conhecido.

Esta autonomia é na realidade uma heteronomia, uma afecção que se reclama de um pensamento criativo. A passividade aparece como a oportunidade da filosofia: é ela que lhe permite escapar à postura reflexiva da representação e de proceder por construção do conceito: se a filosofia é a arte de “formar, de inventar, de fabricar os conceitos”, se ela é a potência de invenção e não de reflexão, é porque ela pensa sob a violência do signo. O Empirismo transcendental, segundo Deleuze, permanece assim transcendental já que exige que o pensamento institua o direito sobre as suas condições de exercício, mas ele afirma-se empírico para garantir à dedução QUID JURIS uma ancoragem ao real.

Este ponto, da qual a importância não é contestável na elaboração de Diferença e Repetição, não tem nada de um kantismo de circunstância, inconsequência juvenil ou máscara provisória de um pensamento  que ainda não encontrou o seu acesso próprio. Nas primeiras páginas de O que é a filosofia?, é bem a Kant que Deleuze faz de novo apelo para definir a filosofia como conhecimento por conceitos puros. “Podemos considerar como decisivo, por contrário, esta definição de Filosofia: conhecimento por conceitos puros”. Somente, Kant à força de distinguir o conhecimento por conceitos da filosofia e o conhecimento por construção de conceitos pelas ciências e as matemáticas, que se alimentam directamente da intuição, reservam para elas apenas uma capacidade de invenção dedutiva que Deleuze exige para a filosofia, “Porque, segundo o veredicto Nietzscheniano, vocês não conhecem nada por conceitos se vocês não os criarem(…)”.

O uso transcendente das faculdades determina assim a criação do pensamento, a sua genitalidade para falar com Artaud: pensar não é inato mas deve ser engendrado no pensamento. Aquilo que engendra o pensamento no pensamento, é a irrupção violenta do signo, que traz o pensamento ao seu uso transcendental que é ao mesmo tempo o seu ponto de ruptura. Criar consiste por isso em fazer a experiência da impotência do pensamento, trazendo-o aos seus limites , ali onde aquilo que ele é forçada a pensar, é também o seu afundamento central, a sua dobra, o seu próprio “IMPODER”. Só nesta condição apenas, o transcendental pode ser justificado por um empirismo superior que não se decalca mais sob as formas empricas do senso comum vulgar. É também a ocasião de salvar a inventividade profunda de Kant, ao ter mostrado que para a imaginação e no caso do sublime, é Kant quem inventa o uso disjuntivo, a violência feita ao pensamento e a discordância essencial entre pensamento e imaginação que condiciona um novo tipo de acordo.”

Anne Sauvagnargues “Deleuze: L’ Empirisme transcendental” PUF, Jan 2010

Cap 3.3 p. 76(…) fim  p. 83-85

Tradução minha

One thought on “O EMPIRISMO TRANSCENDENTAL e o INVOLUNTÁRIO

  1. afonso diz:

    OLÁ
    ESCLARECEU ALGUMAS COISAS.
    TENDO EM VISTA AS OUTRAS OBRAS DE DELEUZE. ESSA EXPLICAÇÃO ESTÁ RAZOÁVEL.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: