Deleuze é Espinosista, não Leibniziano..

Para acabar “de vez” com um Deleuze “leibniziano” e já não Espinosista (mas tb Schopenhauriano e já não Nietzscheneano, Husserliano e já não Bergsoniano, Heideggeriano e já não Simmondiano, Saussuriano e já não Hjelmsleveniano, Lacaniano e já não Guattariano – para não dizer “um Deleuze de pernas para o ar no fim da vida”… simplesmente ignorando-se acintosamente “Spinoza – Philosophie pratique (1970, 2nd ed. 1981″… para não falar dos 2 volumes do “Cinema” (demasiado Bergson?), e do “Bacon – Lógica da sensação” (e não manetas como os Malevichs/Mondrians abstractcos – o império do olho, como também não Pollocks zarolhos expressionistas abstractos – a tirania da mão) , etc .. traidores…

“Si SPINOZA se distingue essencialmente de LEIBNIZ

es porque ÉSTE, cercano a una inspiración barroca, ve en lo OSCURO («fuscum sub nigrum») una matriz, una premisa, de donde saldrán el CLAROSCURO, los colores y hasta la luz.

En SPINOZA, por el contrario, todo es LUZ,

y lo Oscuro no es más que SOMBRA, un mero efecto de luz, un límite de la luz sobre unos cuerpos que la reflejan (afección) o la absorben (afecto):

estamos más cerca de Bizancio que del Barroco.

En vez de una LUZ que sale de los grados de sombra por acumulación del rojo, tenemos una luz que crea grados de sombra azul.

El propio CLAROSCURO es un efecto de esclarecimiento o de oscurecimiento de la sombra:

son las variaciones de potencia o los SIGNOS VECTORIALES los que constituyen los grados de claroscuro, pues el AUMENTO DE POTENCIA es un esclarecimiento,

y la merma de potencia un oscurecimiento.”

Deleuze

Critique et clinique (1993). Trans. Essays Critical and Clinical (1997).

http://www.scribd.com/doc/932188/Critica-y-clinica

“we must take in account of 2 basic factors in LEIBNIZ’s conception of expression:

ANALOGY, which primarily expresses different types of unity relative to the multiplicities they involve,

and HARMONY, which primarily expresses the way multiplicity corresponds in every case to an underlying unity

This all forms a “SYMBOLIC” philosophy of expression

is inseparable from SIGNS of its transformation,

and from the obscure areas in which it is plunged.

What is distinct and what confused vary in each expression

(mutual expression means, in particular, that what a monad expresses confusedly, another expresses distinctly).

SUCH A SYMBOLIC PHILOSOPHY IS NECESSARILY a PHILOSOPHY of EQUIVOCAL EXPRESSIONS.

And rather than opposing Leibniz and Spinoza by citing the Leibniz themes of possibility and finality, it seems to me ESSNETIAL to bring out this concrete point concerning the way understands and operates with the phenomenon of expression, for all the other themes and concepts flow from it.” etc etc etc

(…)

If LEIBNIZ’s pre-established harmony and SPINOZA’s PARALLELISM

both break with the assumption of a real causality between soul and body

the fundamental DIFFERENCE between them still lies here:

THE DIVISION  into ACTIONS and PASSIONS

remains in LEIBNIZ what it was according to the TRADITIONAL assumption (the body suffering when the soul acts, and vice versa) –

while SPINOZA in practice OVERTURNS all the division, asserting a PARITY between

the soul’s passion and the body’s,

and between the body’s action and the soul’s.

For the relation of expression holds in Spinoza ONLY BETWEEN EQUAL TERMS

HEREIN lies the TRUE SENSE of this PARALLELISM:

NO SERIES IS EVER EMINENT (…)

FAR FROM perfection implying “ANALOGY or “SYMBOLIZATION” in which the more perfect term would exist on another qualitative level than the less perfect,

it implies only IMMANENT QUANTITATIVE processing which the more perfect term exists IN the more perfect, that is, IN and UNDER the same UNIVOCAL form that constitutes the essence of the more perfect term (this is also, as we have seen,

the sense in which Leibniz’s theory of QUALITATIVE INDIVIDUATION,

should be OPPOSED

to Spinoza’s theory of QUATITAIVE INDIVIDUATION, without our concluding, of course, that the MODE has any less AUTONOMY than a MONAD”

DELEUZE

Spinoza et le problème de l’expression (1968) Trans. Expressionism in Philosophy: Spinoza (1990).

p.331

http://www.scribd.com/doc/6789600/Deleuze-Expressionism-in-Philosophy-Spinoza

Para quem n percebeu à primeira… sobre Simbolos e Signos (escalares)…

Si consideramos el segundo elemento de la Ética, vemos que surge una OPOSICION determinante con los SIGNOS: las NOCIONES COMUNES son conceptos de objetos, y los objetos son CAUSAS.

La luz ya no es reflejada o absorbida por unos cuerpos que producen sombra, sino que vuelve los cuerpos transparentes al revelar su «estructura» íntima (fabrica). Es el segundo aspecto de la LUZ: y el entendimiento es la aprehensión verdadera de las estructuras de cuerpo, mientras que la imaginación sólo era la captación de la sombra de un cuerpo sobre otro.

En este caso también, se trata de óptica, pero de una geometría óptica. La ESTRUTURA en efecto es geométrica, y consiste en líneas sólidas, pero que se forman y se deforman, actuando como causa. Lo que constituye la estructura es una relación compuesta,

de movimiento y de reposo,

de velocidad y de lentitud,

que se establece entre las partes infinitamente pequeñas de un cuerpo transparente

(…)

Los modos son estructuras geométricas, pero fluyentes, que se trans- forman y se deforman en la luz, a velocidades variables. La estructura es ritmo, es decir concatenación de figuras que componen y descom- ponen sus relaciones.

(…)

Entre los SIGNOSs y los CONCEPTOS,

la distinción parece pues IRREDUCTIBLE, insuperable,

tanto como en Esquilo: «Ya no es mediante un lenguaje mudo, ni mediante el humo de un fuego que arde en una cima como va a expresarse, sino en términos claros…»

Los SIGNOS o AFECTOS son ideas inadecuadas y pasiones;

las NOCIONES COMUNES o CONCEPTOSs son ideas adecuadas de las que resultan verdaderas acciones.

Si nos referimos a la separación por capas de la causalidad, los SIGNOS remiten a los signos como los EFECTOS a los efectos, siguiendo un eslabonamiento ASOCIATIVO que depende de un orden como mero en- cuentro al azar de los cuerpos físicos.

Pero, en tanto que los CONCEPTOS remiten a los conceptos, o las CAUSAS a las causas, ocurre siguiendo un eslabonamiento llamado automático,

determinado

por el ORDEN necesario de las relaciones o proporciones,

por la SUCESION determinada de sus transformaciones y deformaciones.

Así pues, contrariamente a lo que creíamos, parece que los SIGNOS o los afectos no son ni pueden ser un elemento positivo de la Ética, menos aún una forma de expresión.”

Deleuze

Critique et clinique (1993). Trans. Essays Critical and Clinical (1997).

GET IT…

«Leibniz e Kant: os dois maiores obstáculos à probidade intelectual da Europa! (…)

Os Alemães inscreveram-se na história do conhecimento só com nomes equívocos, produziram sempre apenas falsos moedeiros «inconscientes» (esta designação ajusta-se tanto a Fichte, Schelling, Schopenhauer, Hegel, Schleiermacher como a Kant e Leibniz; todos eles são simples «Schleiermacher» [“fabricantes de véus”]). (…) É ambição minha passar por desprezador par excellence dos Alemães.» –

Nietzsche, Ecce Homo, cap. “O caso Wagner”, p. 123.

Já publicquei mas merece ficar em arquivo sobre este tema:

“Leibniz est dangereux en bon Allemand qui a besoin de façades et de philosophies de façades, mais téméraire et en soi mystérieux jusqu’à l’extrême.

Nietzsche.

“On aperçoit désormais que ce détour par Leibniz, au fond, n’en était pas un.

C’est une introduction, une préparation à l’ouvrage général sur “ Qu’est-ce que la philosophie ? ” que nous avons entre les mains.

“ En effet. Je ne dirais pas que je me sens proche de Leibniz, je suis beaucoup plus proche de Spinoza ou de Nietzsche.

Mais, pour moi, la manière dont Leibniz conçoit J’activité philosophique est un modèle. Car il est avant tout un créateur de concepts. Il en a inventé une multitude, d’une richesse incroyable. Et c’est sans doute pour cette raison qu’il est le philosophe qui a eu le plus grand nombre de disciples vraiment créateurs. Et, pour moi, la philosophie, c’est cette activité productrice de concepts. Elle n’est pas réflexion, elle n’est pas communication, non, elle est création. Je ne me pose donc pas la question de la fin de la philosophie. Car on aura toujours besoin de concepts nouveaux, exigés par des situations nouvelles. Il y aura toujours à créer. ”

Didier Eribon sobre o Le Pli de Deleuze –  (Le Nouvel Observateur, 9 septembre 1988)

http://www.leseditionsdeminuit.com/f/index.php?sp=liv&livre_id=2022

Isto tudo a propósito de
Razão-Optimismo-Teodiceia: a Herança de Leibniz no Iluminismo Europeu Colóquio Internacional Comemorativo do III Centenário da publicação dos Essais de Théodicée de G. W. Leibniz & 2.o Colóquio Leibniz Luso-Brasileiro

6 thoughts on “Deleuze é Espinosista, não Leibniziano..

  1. antoine venstel diz:

    Queira desculpar mas o “seu” Deleuze é absolutamente ridículo, porque feito de repetições e leituras literais…José Gil é um dos maiores especialistas mundiais de Deleuze – acredite que conheço o campo – e isto precisamente porque arrisca interpretações originais e não se limita a fazer copy-paste de traduções de Deleuze encontradas na net.
    Não assisti à sua última aula, no entanto acho rídiculo que parta do pressuposto que Gil não conhece o livro sobre o Bacon. Quanto a Malevich veja a “Imagem-Nua” e perceberá talvez melhor o que se joga nessa leitura. Que não tem de ser “deleuziana” precisamente porque parte de um outro ponto de vista, e porque não é por Deleuze ter escrito sobre Bacon que se invalida Malevich como maneta ou Pollock como zarolho.

  2. mecanosfera diz:

    Olá Antoine

    Tudo bem🙂 Fico bastante contente q este site não seja apenas para amigos😉

    Pode encontrar o mp3 da aula aqui (poderá encontrar tb neste blog comentários que fiz na altura, totalmente estupefacto (e profundamente desiludido – afinal… fui do Porto a Lisboa para a ouvir… ):
    http://www.4shared.com/audio/Dv9M9rYB/10-Mar-2010_PM_04-10-03.html

    http://www.4shared.com/account/dir/X_UCHX2x/sharing.html#
    O ficheiro chama-se
    10-Mar-2010_PM_04-10-03.html
    no inicio percebe-se menos bem, mas depois fico perfeitamente claro. Pode ver o seu “Malevich”, pessoalmente aberrante.

    No que diz respeito a ele ser um “dos maiores especialistas mundiais”, acredite que tb o sei (embora não concorde) e li, do que sei, todos os seus livros (dos quais gostei apenas de um, exactamente o que Deleuze cita no seu O que é a filosofia (e mesmo aí aproveito a 100% apenas o capitulo sobre a Ode marítima, essa sim, brilhante).

    Acho absolutamente medíocre o “Portugal, hoje”, uma verdadeira traição a todos os Espinositas-Nietzschenianos-Deleuzianos. Texto cheio de ressentimento, essencialismos… um disparate pegado de sacerdote ressabiado… e não me espantou o seu sucesso neste nosso país de ressentidos. Mas isso é uma questão pessoal. Penso porém ser bastante fácil demonstrar q aquilo é totalmente contra o espírito Espinosista e as suas paixões alegres. Aberrante alguém ligado ao construtivismo genético apelar ao “espirito de um povo” e disparates do género. Apenas dou algum desconto acreditando q deriva d um momento particular em q nos vemos com Santana Lopes a primeiro-ministro. Por outro lado, não é nem quer ser uma obra séria (o mesmo em relação ao último sobre a identidade que nem me dei ao trabalho de acabar… este senhor chega a um ponto que nem parece saber o que é “sociologia” e as demais ciências humanas… o que me deixa, acredite, estupefacto…).

    No que diz respeito ao “Imagem-nua”, ele é pessoalmente a prova cabal de que José Gil é na verdade um Lacaniano mal convertido (e o seu livro sobre o principezinho explica-nos bem “de onde ele vem”), nunca tendo percebido que as aulas sobre Leibniz (assim como o seu “Le pli” não eram uma “conversão” de Deleuze a leibniz sobre Espinosa (que disparate pegado) mas um dialogo com os seus pares (Rene Thom, Serres, Badiou, etc etc etc). O mesmo erro tem vindo a ser cometido de forma aberrante por pessoas como Catarina Nabais (mas vemo-lo tb surgir no espírito de intervenções de Nuno Nabais), do que me foi dado a ler.

    Se compreender realmente a critica de Deleuze quer ao abstraccionismo, quer ao expressionismo abstracto levado a cabo por Deleuze (com Bacon como alternativa) irá perceber o erro redondo de José Gil (que, de qq forma, reflecte apenas a leitura “maneta” dos Leibnizianos😉
    (ver melhor aqui o q Deleuze lhe diria…
    https://mecanosfera.wordpress.com/2010/03/11/o-olho-%E2%80%9Ctem-maos-puras-mas-nao-tem-maos%E2%80%9D/

    Compreendo por isso o que diz quando aponta que sendo esse livro perceberei o q ele diz de Malevich. O que me incomoda (e muito, exactamente por ser ouvido e dar uma imagem distorcia e aberrante) é que utilize Deleuze, o Corpo sem Orgãos, etc, etc etc de forma disparatada e como “aval” para o q diz (se admitir q é Leibniziano e evitar falar de Deleuze estamos perfeitamente confortáveis).

    Erro, mas erro. Uma pena. O que tenho vindo a ler produzido na FLUL é uma “monte de disparates”. Com “amigos” destes quem necessita de “inimigos”😉

    Também poderia apontar pk n concordo de todo com a apresentação q Gil fez no “G Deleuze – uma vida filosófica” onde identifica o “corpo sem órgãos” com o pós-Guattari… ridículo e mostra incompreensão profunda de Deleuze e do seu projecto (e das suas ligações em particular à Filosofia da Matemática, que Gil, esforçando-se e percebendo o lugar do calculo diferencial e do problemático está longe de perceber, sem duvida por falta de formação especializada e as leituras mínimas das obras que informam Deleuze (na tradição francesa em particular).

    O mais evidente porém é a total incompreensão do esquema de Deleuze e Guattari sobre o que é um agenciamento maquinico de corpos (e por isso é maneta), ignorando por completo as questões da Filosofia da Técnica (e não tendo dado o tempo suficiente a Simondon, Leroi-Gourhan (o gesto e a palavra, etc), etc… o panorama em Pt é neste campo bastante deficiente e Gil só o piorou… é a minha honesta opinião.

    Mas não leve tudo isto demasiado a sério🙂 Por aqui levamos tudo isto na desportiva (isto é um blog “semi-privado”) e gostamos de ser assim algo polémicos a escrever para ter mais piada🙂

    (não percebi exactamente o que é o “meu Deleuze”… até pk, como refere, apenas “repito” em copy paste (mas acredite que tenho a obra toda em livro, em francês, português e inglês, as aulas e o que mais anda por ai😉 ainda arranjei agora os textos nunca publicados dele (do período antes da recolha no Iles Desert (em italiano, numa edição que os mais próximos de Deleuze não sabem como pode acontecer😉
    Mas isso, claro, não quer dizer nada😉

    Cumprimentos e volte sempre🙂
    (sinceramente🙂 fiquei contente
    p.s não disse que n conhecia o Bacon de Deleuze mas que “não se deu ao trabalho de o estudar”🙂

  3. antoine venstel diz:

    a sua leitura do Deleuze sobre Bacon é correcta; o que para mim não é correcto é o modo como enfatiza (zarolho, maneta) a posição de Deleuze e faz disso um credo que todos deveriam seguir, inclusive autores, como Gil, que têm obra autónoma e seguem portanto uma investigação diferente (qual o interesse de ver Gil a repetir aquilo que Deleuze disse na sua obra?!?!)

    quanto ao “Medo de existir” subscrevo tudo o que disse.

    quanto à matemática relembro-lhe que Gil frequentou a licenciatura em Matemática antes de fazer Filosofia, e que é dos poucos comentadores de Deleuze que compreende o que é o cálculo diferencial

    quanto a deleuze relembro-lhe a influência de Lacan em obras como PSM e PS, antes do encontro com Guattari

    se me permite: a sua leitura de Deleuze é correcta mas não compreendo os maniqueismos entre os bons e os maus, os fieis e os infieis.

    e qual o interesse de ir buscar polémicas como a do Searle e do Sokal que são já de outro século?

    e reitero que o interesse de um blog (que aprecio) como este deveria, no meu modesto entender, passar por tentar leituras originais dos autores, para além da repetição do que os autores disseram e da´disponibilização dos seus textos. Deleuze, p. ex, é muito claro nessa defesa baconiana de uma “terceira via”. 1qual o interesse de o repetir e gritar aos quatro ventos? um derradeiro exemplo, até pq não conheço o texto em questão: é evidente que Espinoza é uma das grandes influências de D., donde o interesse em fazer emergir pontos de vista menos óbvios (Leibniz), arriscando uma leitura mais original, mesmo que ali ou acolá mais forçada. é isso que se faz nas universidades, ou se deveria fazer, e não simples o papaguear de uma ortodoxia.

    bem-haja!

  4. Fluctuare diz:

    Acrescento ao apanhado de citações relevantes:

    «What interested me most in Spinoza wasn’t his Substance, but the composition of finite modes. I consider this one of the most original aspects of my book.

    That is: the hope of making substance turn on finite modes, or at least of seeing in substance a plane of immanence in which finite modes operate, already appears in this book.

    What I needed was BOTH

    (1) the expressive character of particular individuals, and
    (2) an immanence of being.

    Leibniz, in a way, goes still FURTHER than Spinoza on the first point.

    But on the second, Spinoza stands alone. One finds it ONLY in him.

    This is why I consider myself a SPINOZIST, rather than a Leibnizian, although I OWE A LOT to Leibniz.

    In the book I’m writing at the moment, “What is Philosophy?”, I try to return to this
    problem of absolute immanence, and to say why Spinoza is for me the ‘prince’ of philosophers.»

    – Deleuze, quoted in the preface, “Expressionism in Philosophy: Spinoza”.

    O que eu leio aqui é uma “via do meio” entre S. e L., com uma clara preferência pela pura imanência do primeiro e uma profunda admiração pelo construtivismo conceptual do segundo.

    Mas que seria de nós sem o Sol e a Lua😉

  5. Fluctuare diz:

    E mais esta…

    «1. Je crois à la philosophie comme SYSTÈME. C’est la notion de système qui me deplaît quand on la raporte aux coordonnées de l’Identique, du Semblable et de l’Analogue. C’est Leibniz, je crois, qui le premier identifie système et philosophie. Au sens où il le fait, J’Y ADHÈRE. Aussi les questions “depasser la philosophie”, “mort de la philosophie” ne m’ont jamais touché. Je me sens un philosophe très classique. Pour moi, le SYSTÈME ne doit pas seulemant être en perpetuelle hètèrogenèse, il doit être une hétérogenèse, ce qui, il me semble, n’a jamais étè tentè».

    – Lettre-Préface à Jean-Clet Martin, §55, “Deux régimes de fous”

  6. Fluctuare diz:

    E, para concluir, esta:

    «It is hard, in the end, to say which is more important: the differences between Leibniz and Spinoza in their evaluation of expression; or their common reliance on this concept in founding a Postcartesian philosophy.»

    – Deleuze, Conclusion, “Expressionism in Philosophy: Spinoza”.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: